5 de Fevereiro de 2008

UM CONTO MARAVILHOSO



Numa noite linda, com o céu estrelado, havia, num belo palácio, um baile encantado. Tudo parecia correr lindamente, damas e cavalheiros a dançar, músicos a tocar, o rei e a rainha a apreciar o espectáculo. Todos estavam ansiosos pelo grande momento em que o Esopo e La Fontaine iam contar a história das suas vidas, com referência a duas épocas tão diferentes.
De repente, as trompetes tocaram, as portas abriram-se e apareceram os dois grandes escritores.
Esopo ( alegre): - Muito obrigado, por estarem presentes! Bom…Sou o Esopo e nasci há uns três mil anos atrás, na Grécia.
Público: - Então, como é que se tornou famoso?
Esopo: - Tive uma vida complicada, fui escravo, mas mesmo assim tornei-me famoso, não por escrever fábulas, mas sim por contá-las. Agora conte você.
La Fontaine: - Eu sou o La Fontaine, nasci em 1621, na região de Champagne e sou francês.
Esopo: - Continue!
La Fontaine: _ Fui autor de muitos contos, poemas, máximas, mas com as fábulas ganhei mais notoriedade mundial. Agora, fale-me das suas fábulas.
Esopo: - Bem…Os meus animais falam, cometem erros, são sábios e tolos, maus ou bons, exactamente como os homens. A minha intenção, nas minhas fábulas, é mostrar como nós, homens, podemos agir. E… Ficamos por aqui, agora fale-me você das suas.
La Fontaine: - Muito bem! Eu adaptei as suas fábulas e as do romano Fedro, eu sei que não são originais, mas acrescentei-lhes alguma ironia. Não só as tornei mais actuais, como criei também as minhas próprias, entre elas “ A Raposa e as Uvas”.
Esopo: - Pois claro!
La Fontaine: - Já agora, também me estreei no mundo literário com uma comédia. No prefácio da primeira colectânea, deixei bem claro que as minhas intenções, na constituição dos textos, é servir-me de animais para instruir os homens.
Esopo: - Estamos quase a chegar ao fim, vivemos muito, passámos por muito. Assim, podemos dizer que, em toda a parte, a fábula é um conto de moralidade popular, uma lição de inteligência, de justiça, de sagacidade…
La Fontaine: - E eu, sou considerado o pai da fábula moderna…
Esopo e La Fontaine ( ao mesmo tempo): Portanto, apesar das nossas fábulas serem tão antigas, mantêm-se vivas até hoje! ( ouvem-se palmas)

Daniela Stahi e Cláudia Pires, 7º C, professora Ana Martins

0 comentários: