10 de janeiro de 2010

Feliz Natal...



Oh, Oh, Oh,
Feliz Natal é o meu lema,
Nesta noite tão feliz,
Fico sempre com comichão no nariz.

Por detrás de cada doce,
Um amor, uma delícia,
E assim fica feita
Esta quadra natalícia.

Passa a noite, que agitação!
O Pai Natal está a chegar,
Já não tenho comichão
E o menino Jesus já está no ar.

O Natal não é ”só presentes”!
É Amor, Paz e Alegria!
Vamos por toda a gente feliz!
Vamos por os pontos nos “is”!

O dia já acabou,
Mas, meninos, lembrem-se sempre:
Apenas um simples presente
Pode fazer uma pessoa contente.
.
***

Madalena Roque, nº12 (7ºF)

O Natal



É uma época especial!

Muitas luzes, muitas prendas
Não queiras receber uma chave de fendas

À meia-noite vem um velhote
Com barba e um bigode

Com oito renas a ajudar
A Rena Rodolfo vem a guiar

É uma noite de alegria

E cheia de magia!
***

Pedro Caldeira, 7ºF

O Natal…


O Natal

É uma época divinal!
Há luzes, presentes
E muitas pessoas contentes.

O bolo-rei, o peru,
Sem esquecer o bacalhau,
E como aperitivos ainda o caju,
É comer até fartar.

É uma época mágica,
De convívio, de alegria,
Pena que seja só durante um dia…
É mesmo uma folia.
.
*
Miguel Ângelo Fonseca, nº18 (7ºF)

NATAL



Nesta quadra de alegria
A árvore vou fazer
E com muita fantasia
A estrela no topo vou meter

Já vejo montras decoradas
Com estrelas e lacinhos
Também já as crianças
Puseram na lareira os sapatinhos

Sapatinhos que vão ter
Na véspera de Natal um presente
E quando alguém os abrir
vai ficar todo contente

Mas o Natal também é
Convívio familiar
E nessa noite de festa
Junto deles vou estar

Bruno Santos, nº3 (7ºF)

O Natal


O Natal está a chegar,
As prendas para embrulhar,
Nós todos a cantar,
E as luzes a brilhar.

O Natal a crescer
E nós, toca a beber! (sumos)
Atenção! Crianças estão a correr!
A cabeça vamos erguer.

E nós todos a rir,
Teremos juntos que ir,
Ao Pai Natal pedir,
Uma prenda para sorrir.
.
***

Corina Silva, nº6
Viviana Lourenço, nº28 (7ºF)

O Natal


O Natal

Vamos festejar
Vamos pôr
Todos a cantar

Noite Feliz ou Pinheirinho
Uma destas pode ser
Se quiseres
Podes escolher

Depois de escolher
Tu vais ver
Que não te vais
Arrepender

No Natal
Vamos viajar
Para o menino
Poderes visitar

No Natal
Prendas vais receber
Mas só depois
Do menino nascer

Dele tudo
Podes conseguir
Só tens
Que lhe pedir
.
*

Maria Beatriz Capitão, nº13

Trabalho vencedor do Concurso


video


Trabalho vencedor do Concurso:

Anúncio publicitário sobre Solidariedade


Cláudia Graça, 8ºE


Cláudia, obrigada pela tua participação!

MUITOS PARABÉNS, não só pela criatividade,

mas também pela sensibilidade

que respira em cada palavra e em cada imagem.

4 de janeiro de 2010

A Importância do Sorriso


O sorriso é a forma de comunicação mais poderosa do Mundo. Fala, sem nada dizer. Sente e faz sentir. Dá coragem, força, alegria, bem-estar, felicidade e esperança. Talvez a importância não esteja no sorriso, mas na emoção por trás dele. Um sorriso verdadeiro pode ajudar a enfrentar um medo, pode ajudar a tomar uma decisão ou pode simplesmente dar felicidade. Muitas vezes, quando estou em baixo e parece que nada me pode animar, alguém (um amigo ou um familiar) sorri e esse sorriso dá-me força. Não é um sorriso de felicidade ou de alegria, é simplesmente um sorriso de força, um sorriso que demonstra que aquela pessoa estará sempre ali, enquanto as coisas más continuarem. Para mim, é o sorriso mais verdadeiro do Mundo. Porque é que as pessoas não sorriem, mesmo se não estiverem alegres ou contentes? Um sorriso nem sempre quer dizer alegria... Um sorriso é uma forma de encarar a vida. "Eu sorrio mesmo se quiser chorar. Sempre é melhor do que andar com cara triste durante todo o dia", dizia o meu avô e sempre fiz o que ele me ensinou. Não serve de nada andar com uma expressão sem vida, que apenas causa más impressões. Um sorriso? Um sorriso não dói, não magoa e pode ajudar a tornar o dia de uma pessoa muito mais feliz. Com efeito, está provado que um sorriso verdadeiro por dia, torna as pessoas mais felizes. É como água ou comida... Precisamos do sorriso para sobreviver!

Inês Rocha, 8ºE

1 de janeiro de 2010

Pai Natal (resposta ao desafio)


Esta história começa nas terras geladas da Lapónia, muito pertinho da fábrica de brinquedos do Pai Natal.
Era dia 24 de Dezembro, fazia um frio polar de arrepiar! O Pai Natal carregava à pressa (com ajuda dos gnomos) o seu grande trenó cheio de sacos e sacos com prendas.
Todos os anos era assim… dar a volta ao planeta em 24 horas. Tudo deveria estar entregue até ao dia seguinte (25 de Dezembro). Contudo, este ano a tarefa seria mais fácil, pois um amigo oferecera-lhe pelo seu aniversário um GPS.
Lá em cima, já entre as estrelas e constelações, o Pai Natal pôs a mão no bolso e reparou que não tinha o seu GPS. E agora?! Nem GPS nem Bússola nem nada!
Resolveu fazer uma aterragem de emergência, precisava de se situar, tinha que arranjar forma de se orientar. Foi na América do Sul, junto da beira-mar que as renas encontraram a pista de aterragem, logo a seguir apareceu um menino que vinha a correr entusiasmado a ver aquele cenário!
Nunca vira nada igual! Ficou deslumbrado a observar aqueles animais estranhos e aquele velho gordo de longas barbas brancas e olhos dóceis de braços abertos … como se esperasse um grande abraço.
Paquito não podia conter tanta alegria e pediu:
- Deixa-me ir contigo… posso ajudar-te… sou novo… tenho muita força!
O Pai Natal acenou com a cabeça num gesto afirmativo e ambos subiram para o trenó.
Paquito, foi uma ajuda preciosa na distribuição dos presentes por todo o Continente Sul-Americano.
O mesmo se repetiu nos outros continentes. Em cada um deles o Pai Natal arranjou um ajudante.
No final da viagem e depois da tarefa cumprida o Pai Natal concluiu que este tinha sido o ano mais original, pois tinha feito muitas amizades.
De volta à Lapónia por entre as estrelas e constelações aterrou juntinho à sua fábrica de brinquedos… reparou em algo que cintilava por entre a folhagem do chão e a neve… foi ver, era o seu GPS! Estava avariado, a neve tinha-o destruído, mas o Pai Natal não se importou nada com isso. O trabalho tinha sido feito, e da melhor maneira!
Quanto ao GPS o Pai Natal colocou-o por cima da sua lareira como recordação.

Emanuel Parracho, 8ºE